SÃO PAULO - Muitas pessoas acabam optando por contratar seguro de acidentes porque, na maioria dos casos, se trata de uma opção mais barata do que o seguro de vida. Isso é um erro!

A escolha do seguro não pode se basear em custo, mas no risco que você corre de efetivamente necessitar uma determinada cobertura. Exatamente por isso, afirma-se que contratar seguro ajuda no seu planejamento financeiro.

Mais barato e cobertura mais restrita A cobertura básica do seguro de acidentes prevê indenização em caso de invalidez ou falecimento causado por acidente, sendo que este é definido como uma ocorrência involuntária, externa e súbita. Portanto, caso queira, você precisa contratar uma cobertura adicional para despesas médicas, incapacidade temporária, e auxílio funeral.

De forma simplificada, pode-se dizer que a maior diferença entre os dois seguros é que o de acidentes não oferece cobertura nos casos de falecimento por morte natural. Na prática, isso significa que o seguro de vida oferece uma cobertura mais ampla do que o seguro de acidentes pessoais, mas isso acaba refletindo no custo, que tende a ser maior do que o de seguro de acidentes.

Com ou sem dependentes? Diante disso, avalie com cuidado a sua situação atual: Que idade você tem? Que tipo de vida você leva? Qual a sua situação familiar, você tem dependentes?

Se você é jovem, solteiro, não tem ninguém que dependa financeiramente de você e pertence a uma família cuja situação financeira é tranquila, o seguro de acidentes é a opção mais atrativa. Afinal, seu maior risco é sofrer um acidente e não poder trabalhar mais. Pois, caso venha a falecer não irá deixar ninguém desamparado.

Por outro lado, se, mesmo sendo jovem, você tiver dependentes (cônjuge, filhos ou pais), o seguro de vida é mais indicado, pois garante uma cobertura mais ampla. Em linha, portanto, com a sua realidade: já que o risco financeiro da sua invalidez ou falecimento é maior neste caso. Afinal, caso isso aconteça, outras pessoas ficarão desamparadas, daí o porquê de ser importante calcular com calma o tipo de cobertura necessária.

De maneira geral, para os jovens, o custo dos dois produtos é praticamente equivalente. Como entre os jovens o risco de falecimento é baixo, o maior componente refere-se ao acidente, e daí a semelhança entre os custos dos dois produtos.

Na dúvida: avalie qual maior risco financeiro Sempre que estiver em dúvida sobre qual seguro escolher, lembre-se: ao contratar um seguro, seja ele qual for, o seu objetivo é se proteger do risco financeiro que um possível evento pode causar. Na prática isso significa que, se o risco financeiro de você vir a falecer por causas naturais for pequeno, cobertura que só é garantida pelo seguro de vida, pode valer mais a pena contratar um seguro de acidente, e vice-versa.